quem sou?

Minha foto
Cigarros e café, calmo e agressivo que acaba empaticamente apático. No inverno se sente bem e olhando para o oceano sabe que nada mal pode acontecer.

sábado, 27 de outubro de 2012

penas penadas

o cheiro da manhã, talvez essa seja a relevância necessária para acordar cedo, e a vida continua, cada um em seus pequenos globos de cristal, frágeis, com medo, certos de que suas vidas, suas atitudes, suas histórias são mais importantes do que qualquer um e qualquer coisa, medo de que quando morrerem sejam esquecidos, medo de uma vida fútil e inútil, presos em seus pequenos globos, não adianta ser o mais forte ou o mais fraco, mais bonito ou mais feio, mais correto ou mais errado, mais rico ou mais pobre, religioso ou ateu, tanto faz, vocês já estão todos mortos, do orgânico ao inorgânico, está é nossa eternidade, o ferro  em sua hemoglobina irá penetrar no solo depois em uma bactéria, depois num protozoário, depois num artrópode, depois num anfíbio, depois num réptil, depois numa ave, depois num mamífero, depois para o solo, depois para o mar.......

sexta-feira, 20 de julho de 2012

carburação de cigarro

Bem, é uma vontade, parecida com aquela súbita vontade de comer alguma coisa, um doce, uma lasanha, mas muito mais intenso, 100 X mais intenso, fica como algo no estômago, um desconforto, é um desejo com desconforto, e então você tenta o auto-controle e não adianta porra nenhuma, porque é a vontade irracional, o desconforto estomacal, como se você tivesse um aparelho de cortar o cabelo na barriga......

isto é mais ou menos a abstinência do cigarro

quinta-feira, 28 de junho de 2012

influxo eletrônico anal

É incrível como o ser humano possui a a inclinação para a destruição de outro ser humano, vejo isso principalmente nas pessoas mais jovens, que deveriam ter a mente mais aberta, mas por ter tanto fluxo de informações acabam por ter o cérebro afunilado produzindo pequenas massas encefálicas de ervilhas podres.
Individuais, só escutando e aceitando aquilo que os beneficiam, não lutam mais por liberdade, liberdade real, independência, de tudo de todos de si mesmos.
É uma pena que não raciocinem mais.
Conheci uma pequena garota certa vez, com grande potencial de certo grau de genialidade, mas a pouco tempo percebi que sua mente se tornou podre igual às outras maçãs que costumam estar nas mesma cesta dela...., deixou as pessoas lavarem e levarem sua mente, é uma pena que tenha se tornado na mesma falsidade que se baseia o mundo social de hoje, é uma pena que não compreenda o esforço de alguém que busca a simplicidade e a liberdade.
simplicidade e liberdade
como podem não entender?
está tudo perdido
é uma pena que os olhos são para condenar tudo, menos a si próprios em seu narcisismo doentio.

sábado, 19 de maio de 2012

O que realmente move aquele redemoinho?
o que realmente faz o coração bater?
o que realmente faz o pulmão inflar?
o que realmente faz o ar entrar?
o que realmente faz pular?
o que realmente faz sorrir?
o que realmente faz comer?
o que realmente isso faz sentir?
 que realmente faz dormir?
que realmente faz sonhar?
que realmente nem está ali?
realmente é o som?
realmente é visão?
realmente é verde?
mente é nuvem?
mente é demente?
mente é doente?
mente é semente?
é eco?
é azul?
é mimo?
sino?
signo?
?
.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Bem me sinto bem, muito bem, leve, com apenas 37 centavos no bolso, não sei porque mas acho que isso seria um sopro da liberdade que tanto busco, fazem duas semanas que ando mais pobre que um mendigo e a unica preocupação é a busca por cigarros. Me sinto livre, sei que não é assim tão fácil pois tenho comida em casa, mas por outro lado é assim, quanto mais você tem mais você pode perder........

quinta-feira, 22 de março de 2012

faltasíntese solar

e é o seguinte, as vezes me sinto um cactus que cresceu no lugar errado, no meio de uma árvore, o meio ao meu redor força a me comportar como uma árvore, mas não sou arvore, sou cactus, mas os galhos da arvore insistem em crescer roubar meu sol, porra não tenho galhos, não tenho folhas, não é minha espécie, não tenho como correr nem pular nem cair nem voar, estou enraizado no caule de uma enorme arvore, porra, um passarinho cagou a semente de meu ser no meio do caule de uma arvore, eu não pedi......... só quero um pouco de água e respirar, nada contra a arvore, mas não sou arvore, sou bem mais sem graça sem nada....

Peidação social

quarta-feira, 14 de março de 2012

Há uma falha na dinâmica cerebral e o fato é que o cérebro da humanidade derreteu e escorreu até o ânus e daí saiu pelo orifício e escorreu para as meias e agora só restam meias cagadas e quem não usa meia está limpo com o pé na merda cerebral.
Mas está limpo.....

que chato isso, tempo perdido

sábado, 28 de janeiro de 2012

experimente

A razão, a razão é que não vejo razão em nada, seria falta dela ou paranóia?

Cair através do ralo da pia e se agarrar em um cabelo albino, liso como musgo em uma super-nova em decréscimo. Aí está uma lógica surpreendente e direta.

Você compreende? Não?

Bem vindo ao meu mundo, razão controlando o instinto, mas se não há razão o que será do meu instinto? Mas há razão, uma irazão que torna-se físico e ação, controlo leis inaplicáveis sob um nível abstrato, sou dono de minha mente.
Mas se eu ir com você ainda será minha mente?
Se eu me entorpecer, ainda será minha mente?

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

pebimalre

Se existe destino não há escolha, tudo já está pré-dito, escrito, sem escolhas a não ser se entregar à aquilo que você deve ser e fazer.
Se não há destino então tudo acontece ao acaso e o que você é, o que dever ser e o que deve fazer acaba sendo desviado por toda a cultura, histórico humano e familiar e você torna-se uma sombra do que deveria ser.

Há duas contraposições: destino e ausência deste. e os dois acabam sendo tediosos e redundantes em relação a ser algo ou não.
se tudo está escrito a vida é chata, se não está escrito então há uma grande preguiça em tentar ser algo.

Então tanto faz, o destino me tira opções, a inexistência deste me desvia de mim mesmo.

E tudo acaba sendo um pé no meio do escroto.

Aplausos.